quarta-feira, 29 de junho de 2011

AnsiBiker no Caminho Português de Santiago de Compostela



No âmbito de mais uma cicloperegrinação da Marinha de Guerra, tive a oportunidade de realizar uma vontade antiga, fazer o caminho de Santiago.
No passado dia 22 de Junho ás 13H em ponto, 27 militares entre os quais Oficiais, Sargentos e Praças da Briosa, com um camião para toda a logística e um autocarro para transporte de pessoal, levantaram ´´Ferro´´ da Base Naval do Alfeite rumo ao Porto.
A dormida e jantar foi no Centro de Apoio Social, nas instalações do antigo Quartel do Bom Pastor, Arca de Água, Porto.

23 de Junho
Sé do Porto - Vila do Conde – Rates – Barcelos - Ponte de Lima
A alvorada foi as 07.00H depois de um bom e reforçado pequeno almoço e “fardado” a rigor de ANSIBIKER, já de bicicleta dirigimo-nos ate a Sé do Porto onde se iniciava a peregrinação.
As 09.30 depois de uma missa realizada pelo Capelão da Marinha, também ele peregrino, iniciámos o caminho Português rumo a Santiago.
Rates foi onde se realizou o almoço, depois de alguma espera pelo camião logístico lá se começou a comer muitas iguarias vindas das terras de origem dos intervenientes entre essas iguarias lá estava o bom vinho da Gramatinha e o belo queijo do Rabaçal a representar e dignificar Ansião.
A saída de Rates o caminho começava a mostrar-se mais rural passando por estradões de terra e zonas pedregosas e foi numa dessas zonas que surge a minha primeira e única avaria de todo o percurso, corrente partida. Logo apareceram logo uns 20 elos de corrente pois o meu tinha ficado no camião lol depois de resolvida a avaria, ´´siga a Marinha que o exercito esta cansado!´´
As 16h horas começamos a chegar a ponte de lima e como o albergue estava lotado tivemos de montar a tenda no parque de campismo. Enquanto uns montavam tendas outros faziam a bela massa de bacalhau que acompanhada de um bom vinho soube que nem gingas e depois de bom convívio fomos para o merecido descanso.


Dia 24
Ponte de Lima – Valença – Tui - Redondela
Alvorada ás 07.00H depois de um banho bem quente e pequeno almoço tomado começa o segundo dia de peregrinação.
Os mais experienciados nestas andanças de anos anteriores la começaram a falar da tão temida serra da Labruja que aí vinha! Quanto a ela (Serra da Labruja) não há fotos que façam justiça às suas reputadas subidas cravadas de pedras. Sem dúvida a parte mais dura do caminho mas transponível (não esquecer que sem sofrimento não há gloria!). Chegamos a Valença onde se realizou o almoço. Com 42 graus de temperatura la retomamos a viagem. Sempre bastante rolante e com muito alcatrão, chegamos ao centro de Tui e segue-se rio acima! Com muitos furos e correntes e cabos de travões, raios partidos chegamos a Redondela. O ponto de encontro era na praça do Albergue mas mais uma vez este estava esgotado, depois de varias horas de espera muitos telefonemas e alguns sonos em solo duro (em cima do passeio e bancos de jardim) o município de Redondela, disponibilizou o gimnodesportivo que parece que esta disponível apenas para grupos grandes, quando o albergue se encontra lotado.
Já era noite quando se começou a tratar da massa de frango que meus amigos estava de comer e chorar por mais, e caminha com eles!

Dia 25 de Junho
Redondela – Pontevedra – Caldas de Reis – Santiago de Compostela
Alvorada ás 07.00, rumo a Pontevedra. Paragem obrigatória na praça “A Peregrina” junto ao Santuário da Virgem Peregrina que aproveitamos para visitar.
O almoço foi um pouco prático num local magnifico, as cascatas da Barosa! Depois de uns banhos, barriga cheia e um breve sono com 45 graus infernais e sem vento foi destilar ate ao tão esperado destino.
A chegada, foi um dos pontos altos da viagem, confesso que para mim foi comovente. Entrámos em Santiago em coluna por um, para os leigos significa em fila, com o nosso Capelão na frente e com a bandeira lusa ao vento, ninguém ficou indiferente a passagem do grupo de Marujos e chegamos a entrada do santuário onde reencontramos alguns amigos que fomos fazendo ao longo do percurso e que também iam chegando.
Chegámos com cerca de 280klm feitos.
O jantar e dormida foi no Monte Gozo, umas excelentes instalações com 20 pavilhões com quartos de 6 pessoas com beliches.
Dia 26 assistimos á missa onde o nosso Capelão participou e onde foi dada uma saudação especial ao ‘’grupo militar da Marinha Portuguesa’’ com sotaque espanhol. De seguida grupo foi carimbar a credencial do peregrino, comprar uns “recuerdos” para as famílias e fazer uma pequena visita á cidade.
Depois de almoçar, rumámos a Lisboa ao som de grandes gargalhadas em franco convívio a trocar impressoes sobre a peregrinação e de algumas quedas e avarias ao longo do percurso.
Chegamos a Lisboa era 23.00H, com o espírito de missão cumprida e vontade de repetir.



Nuno simões

5 comentários:

Lopes disse...

Muito bom relato Nuno.

Parabéns pela aventura.

Norberto disse...

Muito bom, um testemunho fora de serie! Parabéns pelo relato e pela aventura. Falta mais umas fotos para completar (a cereja).

el_ninho disse...

Porreiro pá!!!
Tá mt Fixe.

Anónimo disse...

Simões dum caneco! Mas quem andava com bloco de notas e caneta era o Lourenço:). Muito bom!

Nuno Simoes disse...

A todos os que participaram na aventura directa ou inderectamente, o meu muito obrigado.